Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quem (não) sou

De difícil compreensão. Com alguns medos. Com vontade de vencer. Ideais bem definidos. Futuro incerto. Presente feliz. Metafísica e abstracta. Que ama e é amada. Viciada em música, em livros e em política.

Quem (não) sou

De difícil compreensão. Com alguns medos. Com vontade de vencer. Ideais bem definidos. Futuro incerto. Presente feliz. Metafísica e abstracta. Que ama e é amada. Viciada em música, em livros e em política.

A cascata

Sento-me perto da cascata – uma cascata qualquer desde que seja bela, imponente e límpida – e cruzo as pernas. Aproximo a minha mão esquerda da mão direita e deixo-as cair no meu colo, posicionando-as de forma a que os dedos indicadores apontem para o meu umbigo – o centro energético do meu corpo, o que resta do cordão umbilical, o mais perto do que um dia fui. Endireito a coluna, semicerro os olhos e penso em tudo o que me aconteceu até aqui – como vim aqui parar? Quem sou eu? Quem fui? Como fui essa pessoa? Porque já não sou essa pessoa? -, penso especificamente no que me aconteceu hoje – Será que devia ter pedido desculpa e não pedi? Será que devia ter escolhido outra palavra? Será que a magoei? Poderia ter sido mais compreensiva com os outros ou mesmo comigo própria? -, penso no que poderei vir a ser – Será que vou atingir os meus objectivos? Será que vou ser sempre feliz? O que é ser feliz? Vou acabar como todos os outros: frios, insensíveis, mortos que se limitam a sobreviver? – e, por fim, recordo as palavras do meu instrutor, do meu amigo Salvador: «Ouve, querida, tens de relaxar. Como se não houvesse passado ou futuro, mas apenas presente. Contudo, mesmo o presente é um presente do qual te distancias – o que há de mal é só o que há de mal, nada mais. Faz o exercício da respiração como te ensinei: inspiras, expiras, inspiras, expiras.»

 

Estas palavras fazem sempre com que pense na quantidade de vezes que respiramos durante as 24 horas que compõem um dia e como não prestamos atenção nenhuma a isso. Como é que não nos sentamos, tentamos esquecer tudo à nossa volta e olhamos para dentro de nós próprios, tendo a perfeita noção do funcionamento dos nossos órgãos, da estrutura do nosso corpo, da profundidade da nossa alma, do nosso “Eu”? Como é possível que passemos a vida a correr – sem saber bem para onde – e não nos sentemos no banco do jardim a apreciar uma árvore, uma pedra, um cão, um pedaço de terra, o simples gesto bondoso de um velho que dá a mão ao seu neto? Que andamos a fazer aqui, afinal?

 

Oiço a água a correr na cascata. É como se me ouvisse a mim própria, os meus pensamentos correm uns atrás dos outros - «não chegues tarde», «deixa-me em paz», «já te disse que não vou voltar atrás», «não é aquilo que parece, a sério», «já te tinha avisado que não era assim que se fazia isso», «é impressionante o quão burra consegues ser» -, sem cessar, sem me dar tréguas. Quero que parem, quero que acabem, mas não - «Deixa os pensamentos passarem, com calma, lentamente, sem pressas. Lembra-te: o mais importante é que em ti tudo seja natural e nada seja imposto.», sussurra o Salvador aos meus ouvidos como se fosse um espírito, como se eu e ele comunicássemos por telepatia.

 

Volto a tentar. Sinto todo o meu corpo a adormecer, é como se fosse uma sensação de formigueiro em todo o meu corpo – sabem aquela sensação de quando são abraçados pela pessoa que amam? É isso que se sente um pouco antes de se atingir o nirvana -, deixo de ouvir o barulho límpido da água e só oiço o silêncio, o som mais puro, mais belo de todo o Universo: o som da Mãe, a Terra-Mãe que nos pariu, o som do Pai, o som do Pai que amou a Mãe, o som do Amor, o som da Paz. Sinto a minha respiração, sinto-a em todo o meu corpo, não quero sair daqui, quero estar aqui, ficar aqui, não quero abrir mais os olhos. Quero cegar. Ficar cega aqui – com o som silencioso da água, respirando com a consciência plena de que o faço, sem medo do futuro, sem o peso do passado ou a ânsia do presente -, ficar cega aqui e abraçar todo o Universo de uma só vez. Estar aqui – comigo -, estar aqui – contigo -, estar aqui – convosco -, cega, surda, muda. Sem sentidos, mas com todos eles tão apurados que, finalmente, sei o que é a felicidade. Pura.

 

                                                                                                                                               15/8/2012

1 comentário

Comentar post