Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quem (não) sou

De difícil compreensão. Com alguns medos. Com vontade de vencer. Ideais bem definidos. Futuro incerto. Presente feliz. Metafísica e abstracta. Que ama e é amada. Viciada em música, em livros e em política.

Quem (não) sou

De difícil compreensão. Com alguns medos. Com vontade de vencer. Ideais bem definidos. Futuro incerto. Presente feliz. Metafísica e abstracta. Que ama e é amada. Viciada em música, em livros e em política.

Refazer(-me)

Vou-me curar. Vou-me curar escrevendo. Depositando nestas linhas todo o meu ser, toda a minha dor e mágoa. Também espero depositar igualmente a felicidade e a bondade que me são tão características. Não quero que esta depressão me defina, não quero ser lembrada desta maneira, como alguém com quem ninguém quer privar. Quero ajudar-te, Mariana. Quero que crescas, que consigas atingir o céu e que tenhas mais calma. Que tenhas calma suficiente para saborear a vida, a vida que a vida te deu. Vive. Vive mais. Tenta de outra forma. Amanhã é outro dia. Amanhã é mais um dia. Amanhã podes pensar de forma diferente. Amanhã podes alterar para sempre o teu padrão de pensamentos. Amanhã podes fazer a diferença, como tens feito sem saberes, na vida de mais alguém. Ajudares aqueles que passam pela tua vida é mais do que mudar o Mundo. É permitir que o Mundo continue, que a vida se permita a si própria existir.

Vou-me curar curando-me. Desta dor crónica que é pior do que qualquer doença terminal. Que não me permite ver a beleza da vida. Este despojo espirual que ficou lá para trás, mas lá para trás de facto não ficou. Que fazer? Apenas tentar ver mais longe, apenas tentar andar em frente. Não tenho qualquer alternativa a não ser mudar o meu padrão de pensamentos. Tentar perceber que não é a profissão que me deita abaixo; tentar perceber que não é o não atingir um corpo perfeito que me coloca neste buraco existencial; que não é a ausência dos que considerava amigos que me assola, mas sim algo que se situa nas profundezas desta alma: vazia, esgotada e completamente desprovida de vida. Foste tu. Foste tu que alteraste para sempre a minha vida

Mas vou-me curar. Escrevendo e curando-me. Curando-me e escrevendo-me.